domingo, 8 de fevereiro de 2009

Antevasin


ANTEVASIN. Em sânscrito, significa alguém que vive na fronteira.

"Em tempos antigos era uma descrição literal. Indicava uma pessoa que abandonara o centro agitado da vida mundana para ir viver para a orla da floresta, onde os mestres espirituais habitavam. O antevasin já não era um dos aldeãos – já não era um chefe de família com uma vida convencional. Mas também ainda não era um ser transcendente – não era um daqueles sábios que vivem nas profundezas das florestas inexploradas, totalmente realizado. O antevasin era alguém entre dois mundos. Habitava essa fronteira. De onde estava, podia ver ambos os mundos, mas olhava para o desconhecido. E era um erudito.

Em sentido figurado, esta é uma fronteira que está sempre a deslocar-se – à medida que avançamos nos nossos estudos e percepções, aquela misteriosa floresta do desconhecido mantém-se sempre alguns passos à nossa frente, para que tenhamos de andar ligeiros para a continuarmos a seguir. Temos de nos manter móveis e flexíveis.
(...)
Sou apenas uma antevasin escorregadia – por entre e no meio de – uma aluna na fronteira em constante mudança junto à floresta maravilhosa e assustadora do que é novo”.

Elisabeth Gilbert, in "Comer, Orar, Amar".

Obrigada Liz, por encontrares também uma palavra para mim.

3 comentários:

AFRICA EM POESIA disse...

Passei para te ler e deixar um beijinho


Lili Laranjo

Rita Costa disse...

Amei esse livro... ajudou-me a creser!

Ainda não encntrei a minha palavra...

Beijo

Banalidades disse...

Gostei do que li e fiquei a pensar! Faz-me bem vir aqui beber algum saber necessário para o meu equilíbrio interior.
Jinhos e até sempre!