quinta-feira, 30 de abril de 2009

Liberdade sobre rodas

A tarde do dia da Liberdade, foi celebrada da melhor forma... numa das actividades que mais prazer me dão, desde pequena. Um passeio de bicicleta pelo campo!



Rio de espigas, carreirinho de nuvens... outros caminhos que se cruzam com os caminhos de terra por onde vou pedalando... e às vezes assim é... pernas para um lado, sonhos para o outro. Os pedais a fazerem girar as ideias.



A bicicleta sempre foi para mim o meio mais gratificante de chegar, pelos meus próprios meios, a algum lugar valioso.
Simples, ecológico, árduo e prazeiroso.
Curvas e contracurvas. Subidas lentas e descidas rápidas, algumas rectas para esticar as costas e fazer contas de cabeça.
Intenso e diverso, enfim... como a vida.
E o lugar valioso a que se chega é valioso afinal, por todo o caminho que se fez para trás.

Pelo caminho, entram-me as paisagens corpo adentro, por todos os sentidos.
Converso com o vento que, ora concorda comigo... assobiando veloz, ora não... e sopra contra mim contrariado.
Uma felosa canta-me ao ouvido e acompanha-me ainda alguns metros do caminho.
Os aromas soltam-se do mato e perfumam o ar que me entra no peito e me dá a energia e o alento.
Sorrio perante um arbusto florido de rosmaninho que num instante surgiu ao meu lado, na curva.
Sorrio... e agradeço.



À minha volta, o Alentejo é uma exibição viva de estevas!




E, como é de boa educação, claro, cumprimentam-se os habitantes locais.






E já perto do anoitecer, regressa-se a casa.




Não imagino melhor viagem, que aquela em que me conduzo pelos meus meios, movida pelo meu esforço, para chegar a algum lugar... e em que, no caminho, vou chegando também a algum lugar dentro de mim. Um lugar... valioso!

1 comentário:

Karlota disse...

Uma delícia este rencanto alentejano ainda mais belo quando descrito por uma caracoleta no meio do campo! Temos que combinar uma volta dessas..beijocas e adoooooooro o teu blog viu?!