segunda-feira, 8 de junho de 2009

Inextinguível amor


Não sei, mas o amor incendeia-me.
É uma chama inextinguível. Tenho tanto disso, que quero dá-lo a todos, e dou.
É como um grande rio, que alimenta e rega cada vila e aldeia. Ele vai sendo poluído, desagua nele a porcaria do ser humano, mas depressa as águas se purificam a si próprias e rapidamente segue em frente.
Nada pode estragar o amor, pois todas as coisas se dissolvem nele - o bom e o mau, o feio e o belo. O amor é algo que é a sua própria eternidade.


J. Krishnamurti, Cartas a uma Jovem Amiga.
(Imagem do filme "The Feast of Love").

Sem comentários: