sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Um sonho

Foto de Michal Hulimka


Quando começa?
Quando termina?
Pode ser tudo um sonho.
Posso acordar agora e ser uma estrela
O universo todo no tempo de um gesto
Ontem era um grão de pó, mas não me lembro.
Só o sofrimento é real.
Como uma pedra que não se engole, nem se cospe.
Mas que se joga, entre os sentidos que habitam os corpos.
Que coisas todas dentro de mim
se amontoam, se entretêm e me atormentam?
Conforto é, apenas, o meu princípio recordável,
a memória feliz da inocência
e da colorida expectativa...

Um sonho?

Mãe, pai...
Que vou ser, quando morrer?

1 comentário:

Isa disse...

Nossa, Carla, somos muito parecidas! Queria conversar mais contigo...quem sabe um dia eu apareço por Portugal, sabes que quero muito conhecer a Escola da Ponte, acho que teríamos ótimas conversas...amei seus versos! Abraço fraterno, sempre, Isa.