domingo, 19 de outubro de 2014

Toda a gente tem um anjo

Sir Galahad - The Quest of The Holy Grail, Arthur Hughes, 1870.

Toda a gente tem um anjo
Luísa Barreto

Toda a gente tem um anjo
Em quem pode confiar
Disseram-me que ao crescer
O Anjo vai-se esconder
E só vem se eu o chamar

Então, eu chamo o meu anjo
Chamo, chamo, sem parar
Mas mesmo assim ele só vem
Se eu me conseguir encontrar

Por isso eu fecho os olhos
Mas custa-me respirar
Sem saber se o anjo vem
Mas sabendo o que é amar

Eu sinto o trágico mundo
De homens morrendo a lutar
Por aquilo em que se enganam
Sem anjos para os guiar

E ponho-me a amar os homens
Nesse mundo a procurar
E engano-me com eles
Mas somos mais a tentar

Para a frente, para a frente
Que dentro há algo a cantar
O que está dentro é tão forte

No homem a caminhar

Que não há tempo a perder
À espera de um anjo a vir:
Eu tenho os pés nesta Terra
E tarefas a cumprir.

Eu faço parte do mundo.
É importante viver.
Sou companheiro de todos
Os que lutam por querer.

Que o mundo é feito p'ra amar
A vida, p'ra se tecer
E aquilo que eu Olhar
É posto por mim a Ser.

Não te percas no caminho.
Há sempre um fio a seguir.
Se queimares o que te prende
Novas forças vão surgir.

De dentro vem uma Luz
Que nos começa a aquecer.
Essa Luz virá p'ro mundo,
Temos que a fazer crescer.

Essa Luz é Olhar fundo
E nela posso sentir...

Repousa agora, descansa,
Fecha os olhos p'ra dormir.
E sorri para o teu Anjo:
Afinal, chegou a vir...